sábado, 22 de abril de 2017

O imprevisível é previsível !?

A coisa mais previsível da vida é que o imprevisível acontece.

De uma hora para outra, qualquer coisa pode mudar.

Na hora em que o imprevisível pular à sua frente, mantenha-se firme e confie em Deus, pois Ele pode ter projetos mais grandiosos do que alguma vez imaginou.

Além disso, e se o imprevisível o fizer perder alguma coisa? Perder tudo seria muito mais doloroso, se você tivesse alguma coisa.

Texto inspirado em textos existentes na internet

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Relacionamentos doentios



Relacionamentos doentios

Uma pessoa manipuladora é egoísta, egocêntrica, sedutora, atraente. Faz-se de "vítima" ou "mártir", não tem em conta os direitos e necessidades do outro, procura conhecer e usar as fragilidades do outro. Tenta influenciar o comportamento da outra pessoa, recorrendo a estratégias pouco transparentes para que o outro aja da forma que pretende. Há uma necessidade de controlo e poder, com promessas, ameaças ou chantagem (muitas vezes emocional e dissimulada) para chegar onde pretende. Pode chorar ou implorar, e/ou ter um tom mais agressivo.

De modo geral, estas pessoas relacionam-se com pessoas "cuidadoras", "salvadores de pessoas" isto é, que vivem sobretudo para os outros e tendem a fazer tudo para evitar conflitos, mesmo que implique anular a expressão dos seus sentimentos e abrir mão de qualquer limite que considerem razoável ou justo.

Da parte dos "cuidadores", quando nestas relações, há muitas vezes sentimentos de culpa provocados e procuram responder a qualquer necessidade levantada pelo outro, acreditando sempre na sua mudança e que podem fazer a diferença na vida do outro. Criam-se assim dinâmicas co-construídas em que ambos contribuem para manter uma pseudo-harmonia, em que o bem-estar está obviamente corrompido, não obstante possa haver uma aparência de equilíbrio.

Como lidar com pessoas manipuladoras:

A pessoa "cuidadora" pode naturalmente redefinir a forma como está na relação.

saber dizer "não", é um direito seu e uma forma de proteção.

estabelecer limites. Saiba até onde é tolerante com o comportamento das outras pessoas e não permita que elas ultrapassem os seus limites. Respeite-se. Respeite o seu ritmo, as suas emoções, o seu tempo, os seus recursos.

evitar ficar culpado. Pergunte a si mesmo: "Será que a pessoa me trata com respeito?", "Será que ela me faz pedidos razoáveis e espera demais de mim?", "Estarei numa relação unilateral?", "Eu me sinto bem comigo mesmo neste relacionamento?" Se as respostas forem "não", o problema reside no manipulador e não em si próprio.

ser assertivo. Um manipulador geralmente distorce os fatos para parecer mais atraente. Quando houver uma distorção da realidade, peça esclarecimentos. Fale positivamente da outra pessoa e foque-se nos pontos de vista em que estão de acordo.

perceber como se sente nesta relação. É muito importante identificar os seus sentimentos nesta situação. Sente-se oprimido, pressionado, obrigado a fazer coisas que preferia não fazer? Será que o comportamento da outra pessoa o afeta o tempo todo, de modo que depois de ajudá-lo de alguma forma ele ainda espera que ofereça ainda mais ajuda e apoio? As suas respostas devem servir de orientação sobre a direção que o relacionamento está a tomar, bem como sobre a direção que o relacionamento deve tomar.

não desistir de si e reafirmar o seu próprio valor.

O importante será refletir sobre as suas aspirações e necessidades, a forma como está na relação e o que pretende da mesma. Quais os limites que sente que estão a ser ultrapassados? Já conversaram sobre possíveis mudanças? O que sente ser fundamental para o seu bem-estar?

Texto inspirado em vários artigos retirados da internet

O impacto das primeiras impressōes


"É mais fácil ensinar algo do que fazer alguém esquecer alguma coisa."
Autoria desconhecida

O que é melhor?


"A melhor rede social ainda é a mesa rodeada de amigos."
Autoria desconhecida