sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Qual é o sentido de viver?

Qual é o sentido de viver?
Será o trabalho?
Será o dinheiro e a riqueza?
Será a família?
Será os amigos?
Será o namorado?
Será o próprio ser?
Será vivenciar emoções que de outra forma não seriam possíveis?

Para quê? Em nome de quê?
Do crescimento e evolução do ser?
Porque é que nos é dado a oportunidade de viver?
Porque é que passamos pela terra?

Tudo acaba um dia.
A nossa memória e o nosso legado, um dia desvancem.
Senão há fim, mas mudança e transformação.
Qual é o objetivo de passarmos por esta fase ou etapa?
O que nos espera mais à frente?
Qual é o propósito maior de tudo isto?

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Novas técnicas de educar, ensinar, formar e desenvolver talentos

Aprender a pensar, colocando questões, problemas para serem resolvidos, debatendo temas.

Aprender a fazer, executando  exercícios, trabalhos.

Aprender a ser, expondo a situações difíceis, ambíguas, a dilemas para ver qual a postura, comportamento ou atitude adoptada e escolhida pelo formando.

Sobre educação

“A escola precisa de uma revolução (...) e todos os países estão neste momento a reformar o sistema de ensino (...) Mas como é que vamos preparar a sociedade para os próximos 20 anos, se não sabemos como vai estar a economia no final da semana?”
Sir Ken Robinson, Out of Minds

Este sistema de ensino é assim, porque foi pensado para produzir profissionais para o mercado de trabalho. O sistema foi preparado por professores universitários, que não são propriamente as grandes referências da sociedade: “eles vivem dentro da cabeça deles. Para eles o corpo é uma forma de transportar as suas cabeças para as reuniões (...) Eu sei do que falo, já fui um professor universitário”.
Sir Ken Robinson, Out of Minds

A industrialização do século XIX moldou os nossos sistemas de ensino com duas grandes orientações: em primeiro lugar criar disciplinas para o trabalho, que no final visem um emprego; em segundo lugar projetar capacidade académica, em que as universidades moldaram o sistema à sua imagem e semelhança. E quem não entra nesta matriz fica de fora, é excluído ou estigmatizado. O problema é que o paradigma mudou. Daqui a 30 anos vai haver tantos licenciados no mundo inteiro como houve em toda a História da Civilização. Ou seja: antes a licenciatura equivalia a um emprego; estudava-se e no final havia a recompensa.
Mas agora já não é assim, o diploma não vai ser suficiente para obtermos um emprego, quanto mais um bom emprego. Então de que vale a pena estudar? Sobretudo quando pode haver coisas mais interessantes para fazer.
Sir Ken Robinson, Out of Minds

As pessoas têm que ter outra preparação para o mundo, e o sistema de ensino empacotado, industrial, modelador já não funciona. O sistema de ensino está pensado para produzir bons trabalhadores, quando a economia do futuro pede bons pensadores.
Sir Ken Robinson, Out of Minds

Don Tapscott faz a mesma análise mas vai um pouco mais longe na solução.

“In the industrial model of student mass production, the teacher is the broadcaster. A broadcast is by definition the transmission of information from transmitter to receiver in a one-way, linear fashion. The teacher is the transmitter and student is a receptor in the learning process. The formula goes like this: I'm a professor and I have knowledge. You're a student, you're an empty vessel and you don't”.
DON TAPSCOTT, chairman of the think tank Ngenera, at edge.org

"Universities are finally losing their monopoly on higher learning. There is fundamental challenge to the foundational modus operandi of the University — the model of pedagogy. Specifically, there is a widening gap between the model of learning offered by many big universities and the natural way that young people who have grown up with digital best learn.”
DON TAPSCOTT, chairman of the think tank Ngenera, at edge.org

"The old-style lecture, with the professor standing at the podium in front of a large group of students, it's a model that is teacher‐focused, one-way, one-size-fits-all and the student is isolated in the learning process. Yet the students, who have grown up in an interactive digital world, learn differently. They want an animated conversation, not a lecture. They want an interactive education, not a broadcast.”
DON TAPSCOTT, chairman of the think tank Ngenera, at edge.org

A análise destes dois especialistas refletem a enorme diferença entre a oferta do mercado do ensino e a procura do mercado de trabalho. O que está em causa é a grande diferença entre memorizar e cognição.
A ciência diz-nos que a mente aprende estabelecendo novas redes neuronais (o cérebro é plástico). E que essas redes reforçam‐se com o treino e desaparecem com a falta dele.
No caso do professor broadcasting o problema é que os alunos desligam mais e há mais perda de informação entre o que o professor quer dizer, o que diz, o que o aluno ouve e o que entende. Como é um processo de uma só via, o aluno não tem oportunidade de pensar e analisar a informação, pelo que assimila pouco.
Um processo pedagógico que envolve o walker de forma interativa, torna-o mais atento, mais consciente, e com a experiência do fazer assimila melhor todos os conceitos da formação. E estas tendências gerais agudizam-se ainda mais com a especificidade cultural portuguesa.
Todos os caminhos para a revolução do sistema de ensino são ainda mais importante para Portugal, porque nos ajudam a resolver o défice histórico.
Precisamos desesperadamente de portugueses com mais iniciativa, com mais confiança, com mais mundo, com mais orientação para os resultados. Precisamos por isso de desenvolver competências, mas o sistema de ensino aposta tudo no conhecimento.

Fonte: site http://www.isg.pt/images/ficheiros/box_projeto.pdf

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Viver no Presente

«A vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser vivida olhando-se para a frente.»

Soren Kiekegaard

O lado B da vida

«Por maior que seja o buraco em que você se encontra, sorria, porque, por enquanto, ainda não há terra em cima.»

Autor desconhecido

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Ser quem se é

Uma busca de luz verdadeira.

Depois de passar anos acumulando informação e dados, chegou a hora de encarar de frente as implicações que todo esse conhecimento concede.

Conhecimento traz responsabilidade e a necessidade de vivê-lo na prática. Não basta somente repetir.

Chegou a hora de entrar na maioridade espiritual e dar o grande passo que é ser o que se acredita.

Ensinar pela prática, não mais pela pregação.

Tornar-se verdadeiramente o que se é.

Altos e baixos

Se um empregado de escritório é mudado para função de diretor de departamento. As pessoas percepcionam como uma promoção.

Se um diretor de departamento é transferido para a função de empregado de escritório. As pessoas consideram que foi uma despromoção.

Porquê?

Ambas as funções não são dignas, úteis e necessárias à sociedade?

Será possível existir uma sociedade cheia de líderes, sem ninguém para operacionalizar as diretrizes dos líderes?

Será possível existir uma sociedade cheia de subordinados, sem ninguém para inspirar e orientar para a ação?

Parece-me estranho!

Será preconceito!?

São estes os valores que nós queremos transmitir e deixar aos filhos da nova geração?

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Fazer obra

«As grandes obras são sonhadas pelos génios, executadas pelos lutadores, disfrutadas pelos felizes e criticadas pelos inúteis crónicos.»
Autor desconhecido

O beijo

Este quadro traz-me recordações de uma fase muito marcante da minha vida: 2007, Viena de Áustria.

Avaliação: vale o que vale

Avaliação de desempenho que momento tão angustiante.

É um momento difícil, no qual ouvimos coisas dolorosas.

Mas também pode ser um momento bom, no qual recebemos o reconhecimento do nosso trabalho.

Independentemente da perspetiva que escolhemos ver a situação, devemos encarar o momento de avaliação como a hora de nos organizarmos, de perceber onde podemos melhorar, o que pode ser aperfeiçoado, o que podemos realizar com mais autonomia.

Compreende que ninguém te faz nada, que tudo o que acontece na tua vida é da tua inteira responsabilidade.

Em última análise és tu que atrais cada uma das experiências da tua vida para entrares em contacto com a tristeza que ela te provoca e, assim poderes desfazer o bloqueio emocional que trazes de outras vidas e que vulgarmente é chamado de karma...

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Step by step

«O segredo de progredir é começar. O segredo de começar é dividir as tarefas árduas e complicadas em tarefas pequenas e fáceis de executar, e depois começar pela primeira.»
Mark Twain

Tudo tem o seu tempo

Para este momento da sua vida sugere um momento em que precisará agir com o máximo de maturidade e paciência possíveis.

Precisará aprender a respeitar o “tempo certo” neste momento da sua existência e perceberá que será preciso bater mais do que uma vez na mesma porta até que ela se abra. Nem sempre o rio corre mais rápido apenas porque queremos!

Três virtudes serão fundamentais neste momento de sua vida: a paciência (para lidar com as diferenças), a prudência (a fim de jamais confiar inteiramente em ninguém) e a persistência (para compreender que, no que diz respeito ao amor, muitas vezes é preciso bater várias vezes numa mesma porta).

O momento pede circunspeção, meditação e capacidade de espera. Poderá mudar muitas coisas que lhe incomodam, se souber observar o tempo certo, mas precisará também ter humildade para entender que nem tudo é possível.

Ao aceitar os limites, evoluímos como pessoas.

Conselho: Momento de cultivar a paciência, tudo tem seu tempo certo.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Silêncio...

Precisamos de silêncio para tocar as almas das pessoas.
Madre Teresa

O que é que dá significado à tua vida?

O I Ching diz num belo hexagrama:
O lago é limitado, a água, inesgotável.
O lago só pode conter uma parcela da quantidade de água existente no mundo.
A vida humana tem significado quando o homem é seletivo e estabelece limites.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Queres atenção?

As pessoas só atraem o que já mora dentro do seu peito.
Quem traz violência, atrai violência.
Todas as pessoas, todos os acontecimentos, sem excepção, são atraidos pela vossa energia.
Os ’’maus’’ não existem. Eles não são maus. São veículos de que o céu dispõe para te fazer vivenciar o que tens de vivenciar.
Escolhe mudar a tua energia, responsabiliza-te por cada evento que atrais. Muda de atitude, ganha maturidade, toma o pulso da tua vida que escolheste para esta jornada.
Queres atenção?
Muda, interioriza, medita, encontra a tua essência, a tua verdade interior, vêm cá acima procurar o meu amor incondicional e receberás toda a atenção que houver nesta vida.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

I believe

Temos um sentido para a vida?

Podemos escolher o que semear, mas somos obrigados a colher aquilo que semeamos.
Provérbio Chinês

Vencendo os medos

Ganhamos força, coragem e confiança a cada experiência em que verdadeiramente paramos para enfrentar o medo.
Eleanor Roosevelt

Superar a adversidade

A adversidade desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas.
Horácio

O poder da educação

A educação faz com que as pessoas sejam fáceis de guiar, mas difíceis de arrastar; fáceis de governar, mas impossíveis de escravizar.
Peter Drucker