sábado, 10 de dezembro de 2011

Dicas para ser feliz



Roberto Shinyashiki e as suas dicas para ser feliz levam-nos a reflectir na nossa vida, dando alguns conselhos que podem realmente mudar a forma como vemos e somos vistos pelo mundo que nos rodeia. Abra a sua mente e leia atentamente as sábias palavras de Roberto Shinyashiki, aceite a mudança, faça parte da mudança.

01 – Seja ético.

A vitória que vale a pena é a que aumenta sua dignidade e reafirma valores profundos.
Pisar os outros para subir desperta o desejo de vingança.

 

02 – Estude sempre e muito.

A glória pertence àqueles que têm um trabalho especial para oferecer.

 

03 – Acredite sempre no amor.

Não fomos feitos para a solidão. Se você está a sofrer por amor, está com a pessoa errada ou o amor está a prejudica-lo. Caso tenha se separado, curta a dor, mas se abra para outro amor.

 

04 – Seja grato(a) a quem participa nas suas conquistas.

O verdadeiro campeão sabe que as vitórias são alimentadas pelo trabalho em equipe. Agradecer é a melhor maneira de deixar os outros motivados.

 

05 – Eleve suas expectativas.

Pessoas com sonhos grandes obtêm energia para crescer. Os perdedores dizem: ‘isso não é para mim’. Os vencedores pensam em como realizar o objectivo.

 

06 – Curta muito a sua companhia.

Casamento dá certo para quem não é dependente.

 

07 – Tenha metas claras.

A História da Humanidade é cheia de vidas desperdiçadas, amores que não geram relações enriquecedoras, talentos que não levam carreiras ao sucesso, etc. Ter objetivos evita desperdícios de tempo, energia e dinheiro.

 

08 – Cuide bem do seu corpo.

Alimentação, sono e exercício são fundamentais para uma vida saudável. O seu corpo é o seu templo. Gostar de si deixa as portas abertas para os outros gostarem também.

 

09 – Declare o seu amor.

Cada vez mais devemos exercer o nosso direito de buscar o que queremos (sobretudo no amor). Mas atenção: elegância e bom senso são fundamentais.

10 – Amplie os seus relacionamentos profissionais.

Os amigos são a melhor referência em crises e a melhor fonte de oportunidades na expansão. Ter bons contatos é essencial em momentos decisivos.

 

11 – Seja simples.

Retire da sua vida tudo o que lhe dá trabalho e preocupação desnecessários.

 

12 – Não imite o modelo masculino do sucesso.

Os homens fizeram sucesso a custa de solidão e da restrição aos sentimentos..
O preço tem sido alto: enfartes e suicídios. Sem dúvida, temos mais a aprender com as mulheres do que elas connosco. Preserve a sensibilidade feminina – é mais natural e mais criativa.

 

13 – Tenha um orientador.

Viver sem rumo... é decidir na neblina, sabendo que o resultado só será conhecido, quando pouco resta a fazer. Procure alguém de confiança, de preferência mais experiente e mais bem sucedido, para lhe orientar nas decisões, caso precise.

 

14 – Liberte-se do vício da preocupação.

Viver tenso e stressado está na moda. Parece que ser competente e estar de bem com a vida são coisas incompatíveis. Ridículo… Defina suas metas, conquiste-as e deixe as neuras para quem gosta delas.

 

15 – O amor é um jogo cooperativo.

Se vocês estão juntos é para jogar na mesma equipa.

 

16 – Tenha amigos vencedores.

Aproxime-se de pessoas com alegria de viver.

 

17 – Diga adeus a quem não o(a) merece.

Alimentar relacionamentos, que só trazem sofrimento é masoquismo, é atrapalhar a sua vida. Não perca tempo com quem não merece. Se você estiver com um marido/mulher que não esteja compartilhando, empreste, venda, alugue, doe… e deixe o espaço livre para um novo amor.

 

18 – Resolva!

A mulher/homem do milénio vai limpar de sua vida as situações e os problemas desnecessários.

 

19 – Aceite o ritmo do amor.

Assim como ninguém vai empolgadíssimo todos os dias para o trabalho, ninguém está sempre no auge da paixão. Cobrar de si e do outro viver nas nuvens é o começo de muita frustração.

 

20 – Celebre as vitórias.

Compartilhe o sucesso, mesmo as pequenas conquistas, com pessoas queridas. Grite, chore, encha-se de energia para os desafios seguintes.

 

21 – Perdoe!

Se você quer continuar com uma pessoa, enterre o passado para viver feliz. Todos as pessoas erram, você também.

 

22 – Arrisque!

O amor não é para covardes. Quem fica a noite em casa sozinho, só terá que decidir que pizza pedir. E o único risco será o de engordar.

 

23 – Tenha uma vida espiritual.

Conversar com Deus é o máximo, especialmente para agradecer. Reze antes de dormir. Faz bem ao sono e a alma. Oração e meditação são fontes de inspiração.

 

24 – Muita paz, harmonia e amor

Sempre: A MELHOR MANEIRA DE MELHORAR O PADRÃO DE VIDA, É MELHORAR O PADRÃO DO PENSAMENTO…


Fonte: aqui.  Roberto Shinyashiki: Dicas para ser feliz

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Sejamos responsáveis


Nos Alpes Italianos existia um pequeno vilarejo que se dedicava ao cultivo de uvas para produção de vinho. Uma vez por ano, acontecia uma grande festa para comemorar o sucesso da colheita. A tradição exigia que nessa festa cada morador do vilarejo trouxesse uma garrafa do seu melhor vinho, o de maior sucesso, para colocar dentro de um grande barril, que ficava na praça central.

Um dos moradores pensou: “Porque deverei levar uma garrafa do meu mais puro vinho? Levarei água, pois no meio de tanto vinho o meu não fará falta.” Assim pensou e assim fez.Conforme o costume, em determinado momento, todos se reuniram na praça, cada um com sua caneca para provar aquele vinho, cuja fama se estendia muito além das fronteiras do país. Contudo, ao abrir a torneira, um absoluto silêncio tomou conta da multidão. Do barril saiu… Água!

“A ausência da minha parte não fará falta.” Foi o pensamento de cada um dos produtores… Muitas vezes somos conduzidos a pensar “Tantas pessoas existem neste mundo! Se eu não fizer a minha parte, o meu trabalho, isto não terá importância.” Será?
Fonte: “O vinho e a água”, história a circular na internet. Desconheço a sua autoria.

Palavras e Linguagem Corporal


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A essência da Liberdade



A reflexão é de Viktor E. Frankl:

“Quando eu vivia num dos campos de concentração da Alemanha nazista, pude observar que alguns dos prisioneiros andavam de barraca em barraca, consolando outros, distribuindo suas últimas fatias de pão. Podem ter sido poucos, mas me ensinaram uma lição que jamais esqueci: tudo pode ser tirado de um homem, menos a última de suas liberdades – escolher de que maneira vai agir diante das circunstâncias do seu destino”.



Fonte: texto retirado do blog do Paulo Coelho

Foco nas soluções


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Crescer na adversidade


 
Eu sinto-me ambígua, isto é, um misto de felicidade com um travo de tristeza.

Sinto-me feliz porque o blog NIZIN teve no mês de Novembro o maior número de visitas, desde da sua criação, ultrapassando as 1000 visualizações mensais.

A todos aqueles que contribuiram para este número, agradeço-vos do fundo do meu coração.

Vou continuar a trabalhar no sentido de merecer a vossa atenção e consideração.

Mas por outro lado, sinto-me triste.

Como alguém disse, "quando o aluno está pronto, o mestre aparece". 

Quando estamos prontos para viver uma situação, as oportunidades são visíveis à nossa percepção.

Na minha opinião, tudo tem um tempo para nascer, crescer e morrer.

Não vale a pena apressar as coisas, pois elas acontecem quando têm de acontecer. 

E mais importante do que chegar à meta, é saborear o caminho escolhido para percorrer até lá.


A vida é difícil. (...) Quando sabemos verdadeiramente que a vida é difícil -- quando o compreendemos e aceitamos verdadeiramente -- a vida deixa de ser difícil. Porque assim que é aceite, o facto de a vida ser difícil deixa de ter importância.

A vida é uma série de problemas.

No entanto, é nesse processo de confrontação e resolução de problemas que a vida adquire significado. (...) Os problemas apelam à nossa coragem e sabedoria; na verdade, criam  a nossa coragem e a nossa sabedoria. É unicamente devido aos problemas que crescemos mental e espiritualmente. (...) É através da dor de confrontar e resolver problemas que aprendemos. Como disse Benjamin Franklin, "As coisas que nos magoam, ensinam-nos."

(...)

Há muitos que, em virtude da sua passividade, dependência, medo e preguiça, esperam que se lhes mostre cada centrímetro do caminho e que lhes demonstrem que cada passo será seguro e que valerá a pena. Isso não se pode fazer. Porque a jornada do desenvolvimento espiritual requer coragem e iniciativa e independência de pensamento e acção. Apesar das palavras dos profetas e da ajuda da graça estarem disponíveis, a viagem tem que ser feita a sós. Nenhum professor o pode levar lá. Não existem fórmulas pré-estabelecidas.

Texto extraído do Livro "O Caminho Menos Percorrido", de M. Scott Peck, Sinais de Fogo, 2003.


Recordo a história de David que derrotou o gigante Golias. David era pequeno, franzino, um homem aparentemente fraco se comparado com os outros. Entretanto, possuía um profundo relacionamento com Deus, procurava sempre a sua direcção, não tomava decisões sem essa direcção, não decidia de acordo com o conselho dos homens, tinha muita convicção que nunca seria abandonado.

A forma como lidamos com os problemas é o que nos diferencia das outras pessoas. O segredo está na nossa capacidade de resiliência.



Nota da autora: Uma flor que nasce e cresce nas pedras. Este tipo de foto tem um significado muito grande na minha vida pessoal. Faz-me recordar do meu último dia de aulas do 4.º ano de escolaridade, tinha eu 10 anos. A minha professora deu-me um separador de livros com uma foto deste tipo. Fiquei muito triste nesse dia, pois todos os meus colegas tinham recebido um separador com flores lindas, coloridas e a minha parecia tão cinzenta, tão feia. Só mais anos mais tarde aprendi uma grande lição de sabedoria com esta foto. Existe uma beleza enorme na adversidade.

Boas Práticas no empreendedorismo




segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Change your thoughts, to change your life




No início deste blog, em Junho de 2011, foi publicado um artigo que volto a republicar pela grande pertinência e actualidade do mesmo.

Vale a pena, recordar:
 

Desemprego: No trilho da auto-descoberta do potencial humano

Ano de 2011, será que vivemos em Crise?
Parece que a crise chegou e veio para durar. A instabilidade nos mercados financeiros, a fragilidade do tecido económico e a globalização dos mercados deram lugar à incerteza e à imprevisibilidade, gerando receio, desconfiança e contracção no investimento por parte das Empresas.
No meio académico e empresarial, nunca se falou tanto em “talentos”, isto é, em pessoas que apresentam resultados profissionais extraordinários, porque usam os seus dons, competências melhor desenvolvidas no exercício da sua profissão. Interessa às organizações captarem, desenvolverem e reterem estes talentos, pois são vistos como o único elemento existente numa empresa que não pode ser replicado pela concorrência, e que quando bem gerido traz vantagens competitivas e diferenciadoras.
Mas então porque é que, um pouco por todo globo, a taxa de desemprego está a crescer? Será que as Empresas acreditam numa coisa e fazem outra? Será que estas não as podem reter porque não têm recursos económicos? E as pessoas que ficam desempregadas, qual é a visão que têm desta situação? Porque os desempregados insistem em se encaixar nas ofertas de emprego existentes?
Seria interessante e importante reflectir sobre todas estas questões. Certamente que iríamos compreender o que está a passar um pouco por todo o mundo, bem como descobrir o que estas circunstâncias nos estão a exigir enquanto seres humanos e por fim, cada um de nós encontrar a melhor solução para si próprio.
Mas vamos nos centrar em responder apenas à primeira pergunta.
“Imagina que ninguém se encaixa nas vagas que existem actualmente. Que as pessoas conseguem encontrar dentro de si próprias a sua luz, que brilha tanto que não as deixa encaixar em nenhum emprego. Essas pessoas trazem novos formatos para o vosso sistema profissional de troca de experiências. Cada pessoa tem uma ideia que faz avançar as consciências. Cada pessoa põe essa ideia em prática, faz a sua própria experiência na matéria a nível profissional. O que acontece com essa pessoa? Antes de mais, encontra a felicidade porque, ao encontrar a sua própria luz, na sua busca profissional, encontra o seu verdadeiro «eu». Depois, essa mesma pessoa desenvolve e aplica a sua missão, pois consegue aceder ao seu projecto de vida. Mais tarde, abre possibilidades para outras pessoas participarem desse projecto e, por sua vez, também, cumprirem o seu desígnio.” (texto extraído do livro “Este Jesus Cristo que Vos Fala – Livro 2 - A Lógica do Céu e a Lógica da Terra”, de Alexandra Solnado)
Existem cada vez mais pessoas desempregadas, para estas interiorizarem, reflectirem, auto-conhecerem-se, tomarem consciência acerca das suas capacidades, potencialidades, talentos, e para se responsabilizarem na criação de um novo rumo profissional, mais adequado à sua própria pessoa e consequentemente permitir que outras pessoas possam participar nesses novos projectos e cumprirem o seu papel nesta vida, a sua missão.
Ano de 2011, será que vivemos em Crise? Será mesmo que vivemos em Crise?
A palavra Crise[1], em chinês, tem dois significados: perigo e oportunidade. E és tu que escolhes se vais considerá-la como perigo ou oportunidade. Quando ouvires falar em crise, risca a letra S desta palavra. Assim: CRI$E. Agora coloca o S no fim da palavra. O que fica? CRIE$. Exactamente! CRIE emprego, sucesso, prosperidade. CRIE o seu próprio emprego. Muda de Vida. Do que estás à espera para começar hoje mesmo?



[1] Exemplo retirado do livro: “O Sucesso não Ocorre por Acaso”, Dr. Lair Ribeiro.

4 pilares para construir uma empresa vencedora


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Ser flexível nas adversidades



Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente.

Mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que forneciam calor. E, por isso, tornaram a se afastar uns dos outros.

Voltaram a morrer congelados e precisaram fazer uma escolha: desapareceriam da face da Terra ou aceitavam os espinhos do semelhante.

Com sabedoria, decidiram voltar e ficarem juntos. Aprenderam, assim, a conviver com as pequenas feridas que uma relação muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. E assim sobreviveram

Moral da história:
O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro e consegue admirar suas qualidades...


Fonte: Fábula do Porco-espinho (desconheço a autoria deste texto)

Fomentar uma política de Educação para o Empreendedorismo em Portugal



quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Amar os outros é facilitar o seu crescimento



Quando o mestre e o discípulo peregrinavam por distantes pastagens, foram acolhidos por uma simpática família que vivia em condições de miséria. Embora fossem boas pessoas, os seus recursos materiais eram muito limitados.

Sustentavam-se graças a uma vaca magricela que fornecia o leite para se alimentarem, e o pouco que sobrava vendiam. Na hora da despedida, o discípulo, com pena daquelas pessoas, perguntou ao mestre se não podiam fazer nada por elas. O mestre, na sua sabedoria, disse:

– Atire a vaca pelo precipício.

– Mas, mestre...

– Atire a vaca pelo precipício ou faça-a desaparecer! – insistiu o mestre.

O discípulo, sem compreender, cumpriu os desígnios do mestre, ainda que muito contrariado. E assim a família ficou sem a vaca.

Os anos passaram e o discípulo, cheio de remorsos, não voltou a ter paz. Para se redimir e pedir perdão à família resolveu voltar àquela região. E onde antes havia uma região árida, encontrou terras cultivadas. Próximo de onde era o casebre encontrou um palacete. Angustiado, supôs que a família tinha sido obrigada a vender a casa e o terreno, pois já não tinham a vaca para sobreviverem. Aproximou-se e encontrou os proprietários numa piscina, divertindo-se.

Para seu espanto, verificou que se tratava das mesmas pessoas, mas agora com uma aparência bem mais saudável e feliz. Sem entender, o discípulo perguntou que milagre tinha ocorrido. Com um sorriso no rosto, o pai respondeu:

– Milagre nada! Um dia a nossa vaca desapareceu.

Tivemos de procurar um novo meio de subsistência. Trabalhámos muito e procurámos formas alternativas. Ao longo dos tempos fomos prosperando.

Só nesse momento é que o discípulo compreendeu a sabedoria do mestre.

Fonte: Autor desconhecido
 

Promovendo a Mudança


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O que fizeste hoje de diferente?


Martinho era um valente soldado romano que estava a regressar da Itália para a sua terra, algures em França.

Montado no seu cavalo estava a passar num caminho para atravessar uma serra muito alta, chamada Alpes, e, lá no alto, fazia muito, muito frio, vento e mau tempo. Martinho estava agasalhado normalmente para a época: tinha uma capa vermelha, que os soldados romanos normalmente usavam. De repente, aparece-lhe um homem muito pobre, vestido de roupas já velhas e rotas, cheio de frio que lhe pediu esmola.

Infelizmente, Martinho não tinha nada para lhe dar. Então, pegou na espada, levantou-a e deu um golpe na sua capa. Cortou-a ao meio e deu metade ao pobre.

Nesse momento… as nuvens e o mau tempo desapareceram. Parecia que era Verão! Foi como uma recompensa de Deus a Martinho por ele ter sido bom.

É por isso que todos os anos, nesta altura do ano, mesmo sendo Outono, durante cerca de três dias o tempo fica melhor e mais quente: é o Verão de São Martinho.


Fonte: Lenda de S. Martinho copiada do site de Educação de Infância

Não existe idade para empreender


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Ser empreendedor

Dá que pensar…


O marido está em casa a ver um jogo de futebol, quando a mulher sai e volta logo a seguir, dizendo-lhe:
— Querido, podes arranjar o meu carro? Ele parou de funcionar assim que saiu da garagem...
— Consertar o teu carro? Estás a ver Fiat escrito na minha testa?
A mulher volta à carga:
— Então podes arranjar a porta do frigorífico? Ela não está a fechar bem...
E ele respondeu:
— Arranjar a porta do frigorífico? Estás a ver Siemens escrito na minha testa?
— Está bem — disse ela. Então podes pelo menos trocar a lâmpada da porta da frente? Ela está queimada há semanas.
E o marido:
— Trocar a lâmpada da porta da frente? Estás a ver Philipps escrito na minha testa? Eu não te aguento mais! Vou para o bar beber umas cervejas!
Assim fez e bebeu durante algumas horas. Entretanto, começou a sentir-se culpado pela forma como tinha tratado a mulher e decidiu voltar para casa e ajudá-la. Ao chegar a casa viu que o carro já estava na garagem e a luz da porta de entrada já funcionava.
Dirigiu-se ao frigorífico em busca de uma cerveja e percebeu que a porta do mesmo também tinha sido arranjada.
— Querida — perguntou ele — como é que todas estas coisas foram arranjadas?
E ela respondeu:
— Bem, quando tu saíste, eu sentei-me lá fora e estava a chorar. Então, apareceu um jovem muito simpático, que me perguntou o que é que me tinha acontecido e eu contei-lhe. Ele ofereceu-se para arranjar tudo, e eu só tinha que escolher entre ir para a cama com ele ou fazer-lhe um bolo.
O marido disse:
— Então, que tipo de bolo é que lhe fizeste, meu amor?
Ao que ela respondeu:
— Helloooooooo! Tu estás a ver 'DANCAKE' escrito na minha testa?

Moral da história:
Marca que não dá assistência... Abre espaço à concorrência.

Fonte: texto recebido via e-mail.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Nem tudo o que parece, é


Uma grande multinacional levou a cabo um processo de selecção para contratar um funcionário para um alto cargo executivo. Depois de testes e entrevistas, e mais testes e entrevistas, e ainda outra entrevista, escolheram um dos candidatos.
Para comemorar, e antes de assinar o contrato, o presidente da empresa convidou para almoçar aquele que, pela altura da sobremesa, seria o novo director. Ambos decidiram escolher o prato especial do chef, uma receita à base de lentilhas. Quando o empregado lhes trouxe o prato, o ainda candidato levantou o braço para chamar atenção do empregado e pediu:
— Por favor, traga-me um pouco de sal.
O presidente olhou para ele e disse-lhe, admirado:
— Mas ainda não as provou.
— Gosto delas muito salgadas.
O presidente não disse mais nada. Levantou-se e despediu-se, dizendo:
— Desculpe tê-lo feito perder o seu tempo, mas creio que nos enganámos a seu respeito. É melhor não assinarmos o contrato.

Na vida real, as atitudes que vêm ao de cima quando estamos descontraídos, são muito mais fiáveis do que os testes.

Fonte: Texto extraído do livro “Storytelling – A magia das palavras”, de Gabriel García de Oro, Gestão Plus, 2011.

Como compreender o cliente na era da web 2.0?



Fonte: Professor David James fala acerca das relações entre organizações e clientes na web 2.0.
Vídeo retirado da Henley Business School


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

14.ª Feira do Empreendedor



A Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) vai voltar a promover, entre os dias 17 e 19 de novembro, na Alfândega do Porto, a 14ª Feira do Empreendedor, um evento que já é bandeira daquela que foi em Portugal a associação pioneira no fomento ao empreendedorismo. Subordinado ao tema “Inovação Portugal”, o certame assume-se como uma mostra de empreendedorismo diferenciador e competitivo, que promete contagiar as jovens start-ups com o espírito proativo e perseverante que, em tempos de crise económica e financeira, a associação procura incutir no tecido empresarial português.
Informações, apoios e oportunidades complementam este ecossistema favorável à criação e desenvolvimento de novos negócios, que volta a orientar-se numa lógica de cidade à qual acorrem não só jovens empreendedores, mas também escolas e outras entidades. O franchising será uma das apostas fortes da edição 2011 da Feira do Empreendedor, com uma mostra extra, resultante de uma parceria estratégica com o Grupo Onebiz.
Paralelamente, e como já vem sendo hábito nas edições anteriores, está também previsto um ciclo de 21 conferências práticas, um conjunto de seis workshops sobre “Como Criar um Negócio Específico” e duas sessões de simulação de entrevistas de emprego, destinadas aos jovens que ambicionam uma carreira como empreendedores por conta de outrem. O networking e a promoção de sessões com investidores estão também contemplados nesta Feira que assume este ano particular relevância pelo contexto económico que o país atravessa.

Para mais informações, visite o site da Associação Nacional de Jovens Empresários

Fonte: Artigo publicado no jornal “Expresso” de 21 de Outubro de 2011

O poder do Storytelling



Fonte: Jay Conger fala sobre o impacto estratégico do Storytelling.
Vídeo retirado do site Henley Business School

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

V Semana Nacional de Business Angels


A FNABA - Federação Nacional de Associações de Business Angels tem agendada para a semana de 7 a 11 de novembro, a V Semana Nacional de Business Angels.
A iniciativa que já soma cinco edições tem como missão aproximar o público, e em particular os empreendedores, dos Business Angels de cada região, bem como sensibilizar potenciais investidores a conhecerem as suas atividade destes. Sob o lema “Dar a volta à crise, com os Business Angels”, a edição deste ano tem ainda o objetivo de afirmar a importância dos business angels, num momento crítico do nosso país, como elementos chave na criação e expansão de empresas de elevado potencial de crescimento.
Ao longo desta semana decorrerão - nas cidades de Cascais, Coimbra, Covilhã, Évora, Guimarães, Lisboa, Porto e Santarém - conferências, fóruns de discussão e apresentações públicas de projetos em busca de financiamento, e outros que já tendo obtido este investimento financeiro pretendam partilhar a sua experiência. Prevista está ainda a realização de um workshop, no âmbito do ACCESS ICT (www.access-ict.com), iniciativa da Comissão Europeia da qual a FNABA é uma entidade parceira, com o objetivo de apoiar empresas, que receberam fundos para investigação, no acesso a financiamento por parte de business angels, para a comercialização dos resultados da investigação realizada.

Para mais informações, visite o site da Federação Nacional de Associações de Business Angels

Fonte: Artigo publicado no jornal “Expresso” de 21 de Outubro de 2011

O que é que isto lhe diz?


terça-feira, 25 de outubro de 2011

I Conferência Ibérica de Empreendedorismo


O Centro Cultural de Cascais acolhe, a 27 e 28 de outubro, a I Conferência Ibérica de Empreendedorismo. O evento, cuja entrada é livre porém sujeita a reservas, visa debater num diversificado leque de conferências a temática da iniciativa empresarial à escala ibérica e promover a partilha de experiências entre os empreendedores. O evento contará com a presença de um conjunto de oradores de peso no panorama empresarial de Portugal e Espanha, procurando também estreitar as semelhanças entre os dois países, na área do empreendedorismo.
Em debate estarão temas como a mudança do modelo de negócio de uma empresa, os estímulos ao empreendedorismo, o capital intelectual estímulo do empreendedorismo de base tecnológica, mas também será feita uma reflexão sobre o ensino do empreendedorismo, o papel do empreendedor social, o fomento ao empreendedorismo universitário, entre muitas outras temáticas.
Para mais informações visite o site da Empreend

Fonte: Artigo publicado no jornal “Expresso” de 21 de Outubro de 2011

Desde pequena, a fazer a diferença...


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Como tornar-se empresário em tempo de crise


A conjuntura aconselha à prudência, mas não ao marasmo. Foi em tempo de adversidade que os portugueses souberam realizar os seus maiores feitos. O universo empresarial não é exceção. Com riscos e investimentos mais controlados é possível empreender em Portugal, desafiando todas as barreiras.
Quando a conquista de um emprego por conta de outrém não está facilitada, criar o seu próprio projeto empresarial, que lhe garanta uma forma de subsistência poderá não ser uma ideia descabida. Reza a tradição que é em momentos de adversidade que surgem, por vezes, as melhores oportunidades. Tudo o que você precisa é ser terra-a-terra, manter os pés bem no chão e sem grandes deslumbres ou investimentos mirabolantes, estruturar o seu próprio negócio e o seu auto-emprego. Lembre-se: a prioridade não é ficar rico em dois dias, mas sim garantir um salário e sentir-se realizado com o que faz.
As primeiras perguntas que deverá colocar-se é “o que é que eu sei fazer bem?” e “onde reside o meu valor competitivo?”. A área de atividade até pode nem ser original, mas poderá ganhar mercado se tiver uma abordagem inovadora face à concorrência. E é também aqui que reside o segundo ponto decisivo da sua análise: quem é a sua concorrência? quais os seus pontos fortes? que limitações e riscos pode aportar ao seu projeto e como pode o seu futuro negócio ultrapassar os outros players do seu mercado? A resposta a cada uma destas perguntas é vital para minimizar o risco de fracasso do seu projeto.
Igualmente importante é que perceba até que ponto o mercado precisa, sobretudo nesta fase de maiores dificuldades económicas, do serviço que lhe quer oferecer. Tenha em atenção que em situações adversas, pequenos negócios de serviços de proximidade como as tradicionais engomadoras, lojas de arranjos de costura ou outras semelhantes poderão ressentir-se com o efeito poupança, já muitos consumidores optam por voltar a realizar em casa este tipo de serviços. Uma dinâmica diferente sentem os projetos ligados à área da Internet e todos aqueles que de alguma forma estejam relacionados com questões de gestão financeira e poupança.
Mas tão importante quanto escolher a área é realizar um levantamento criterioso e muito rigoroso do investimento necessário para materializar o seu projeto. É nesta fase que se deve munir de todo o seu lado prático e realista e reduzir os custos ao essencial. Pode parecer-lhe irónico, mas pensar pequeno por vezes tem as suas vantagens. Provavelmente, numa fase de arranque não precisará sequer de um grande espaço. Se esse não for o caso e o seu projeto precisar de uma sede, então escolha com cuidado o local onde se vai implantar em função das zonas onde passa o seu público-alvo. Evite também realizar grandes contratações. Deve definir uma estratégia de crescimento, mas faseada. Não queira tudo de uma só vez.
Num negócio todos os pormenores são fundamentais e neles que deve investir para se diferenciar. Deve testar todos os seus fatores de diferenciação antes mesmo de iniciar o seu contacto com o público. Aposte muito neste fase de testes para poder otimizar e reduzir o risco de insucesso na entrada no mercado.
E se ultrapassadas todas estas etapas o seu problema ainda é o investimento, saiba que tem cada vez mais opções de financiamento para os designados negócios de baixo custo. A expansão das plataformas de crowdfunding podem beneficiá-lo e o microcrédito também. Mas se está numa situação de desemprego continua a poder recorrer à antecipação por inteiro do subsídio de desemprego para criar o seu próprio negócio.

Fonte: Artigo publicado no jornal “Expresso” de 21 de Outubro de 2011