terça-feira, 29 de novembro de 2016

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Que seca!!! Será que um hiperativo se sente assim?


Quando estás numa sala de aula ou de formação ou seminário e o que  ouves do interlocutor, não é nada de novo ou não te interessa.
Só apetece mexer-nos na cadeira. Não há nenhuma boa posição. Dói as costas, as pernas, os braços, a cabeça pesa, os olhos teimam em fechar.
Qualquer coisa serve para nos distrair, um barulho, um cheiro, um telemóvel...
Esta situação só pode causar desilusão, frustração. Só apetece fugir, sair daqui. E quando não podemos sair, só apetece gritar: "que seca!" ou "porque não te calas!" Será que um hiperativo se sente assim?

Autoria: Sandra Mendes

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Amor verdadeiro


"O amor verdadeiro não depende de encontrar a pessoa perfeita para amar, mas de aprender a amar e a aceitar alguém apesar de todas as suas imperfeições."
Autor desconhecido

sábado, 19 de novembro de 2016

Qual a diferença entre democracia e ditadura?



"Qual a diferença entre democracia e ditadura? 
Na democracia, eu mando em ti. Na ditadura, tu mandas em mim."

João Rafael Koehler, no programa de televisão Shark Tank Portugal

Somos aquilo que amamos


Tudo o que amamos profundamente, converte-se em parte de nós mesmos.
Helen Keller

Atitudes


As atitudes mostram o carácter de uma pessoa.

São as atitudes que determinam o valor de cada um.

É pelos frutos que se conhece a árvore.

As nossas atitudes revelam quem somos. 

domingo, 13 de novembro de 2016

sábado, 12 de novembro de 2016

Comer saudável


"Que a comida seja o teu alimento e que o alimento seja o teu remédio." 
Hipócrates

O que é, é!


Para quê preocuparmos-nos com uma coisa que ainda não sabemos se vai acontecer!
As pessoas que gostam de controlar tudo ou que são inseguras sofrem muitas vezes por antecipação. Ocupam o seu tempo presente com potencialidades do futuro que podem nunca acontecer, por razões alheias ao próprio ou porque estiveram tão ocupados com o futuro que deixaram de viver o presente e construir o futuro.
Mas é ainda mais complicado, quando no meio das suas preocupações, estas pessoas envolvem terceiros, prejudicando a qualidade de vida de todos os envolvidos.
Assim, só nos devemos preocupar com factos, situações que aconteceram mesmo e que agora temos de tomar uma ação para resolver as consequências. Isso não quer dizer que não possamos ser proativos no desenvolvimento dos acontecimentos. Mas se o resultado dos acontecimentos não depende de nós, devemos estar atentos ao desenvolvimento dos mesmos e ter calma para não agir por impulso.

Autoria: Sandra Mendes